A NOSSA HISTÓRIA

Quando me é pedido para explicar de que maneira surgiu o Thirst Project Portugal, começo sempre da mesma forma. Tinha 16 anos e, como adolescente que era (e sou), passava muito tempo nas redes sociais, vivia a minha vida sem ter noção das realidades de outros que vivem longe da praia lusitana onde nasci, do outro lado do oceano, ou muitas vezes apenas noutra zona da minha própria cidade. Um dia deparei-me no Instagram com uma imagem de uma mulher vestida de roxo e, por mero acaso, acabei por ler a descrição: “Se já viram uma apresentação nossa então sabem a história incrível de uma mulher chamada Juliet. A Juliet tem uma história impactante e que mudou as nossas vidas para sempre. Ela vive na comunidade de Masundvwini, na Eswatini. Tem SIDA, doença para a qual perdeu o marido e os dois filhos, e agora toma conta de oito crianças órfãs, que se despediram dos pais pelo mesmo problema. A Juliet costumava andar mais de dois campos de futebol todos os dias para ir buscar água suja e poluída. Em 2010 o Thirst Project construiu um furo em Masundvwini, e agora a Juliet e toda a sua comunidade têm acesso a água potável, acesso este que lhes permite tratar a SIDA.”
A história da Juliet foi o que espoletou em mim o interesse sobre a crise de água mundial, e depois de muita pesquisa descobri alguns factos que fiquei a rever na minha cabeça dias a fio. Sabiam que existem mais de 663 milhões de pessoas sem acesso a água potável, todos os dias, por todo o mundo? Só hoje, vão morrer 4100 crianças por problemas relacionados com falta de água potável, e todos os dias mulheres e crianças andam de 6 a 8 horas até à poça mais próxima para ir buscar água contaminada para as suas comunidades.
Longe de me conseguir colocar no lugar dessas pessoas, pois sempre tive água com o rodar de uma peça de metal, decidi enviar uma mensagem para o Thirst Project, página que tinha feito esta publicação, com o objetivo de conhecer um bocadinho mais este problema, e perceber de que forma podia ajudar. Nesse mesmo, enquanto esperava ansiosamente uma resposta, procurei informar-me e levar o meu pequeno conhecimento da crise de água mundial um pouco mais fundo. E a mensagem chegou, o meu telefone iluminou-se e a minha história com o Thirst Project começou.
Explicaram-me que funcionavam através de jovens por todo o país, a criar equipas em escolas e faculdades, e perguntaram-me de que estado era. Estado? Eu vivo do outro lado do mundo! Acharam interessante o projeto já ter visibilidade no território europeu e cada mensagem que recebia era de uma pessoa mais acima na organização e, depois de muitos emails, decidi (com muita ajuda de amigos incríveis que se juntaram) que íamos fazer uma equipa pequena nas nossas escolas, de modo a fazer o que estava ao nosso alcance para ajudar o projeto.
Passado algum tempo deparei-me com uma frase da Madre Teresa de Calcutá: “Às vezes sentimos que o que fazemos não é nada senão uma gota no oceano, mas o oceano seria menor sem essa gota.” Nesse mesmo dia foi-me posto o desafio de trazer o Thirst Project para Portugal, e criar um ramo oficial da organização americana com esses amigos. Na indecisão de se conseguiríamos fazer tal coisa esta frase foi-me aparecendo mais vezes, e se eu, a Catarina, o João, o António, o Guilherme, o Manel e o Tiago na altura não sabíamos como fazer, aprendemos depois de dizer que sim!
Em 2019 surgiu oficialmente o Thirst Project Portugal, depois de quase um ano de experiências e pesquisa, e o resto… o resto é história! Hoje em dia estamos presentes em escolas e faculdades de norte a sul (passando pelas ilhas) do território nacional e organizamos vários eventos com o objetivo de ativação da população e angariação de fundos que depois são investidos na construção de furos de água potável.
Foi por haver quem acreditasse em mim quando o Thirst Project Portugal se tornou uma realidade, e por haver quem acredita em nós atualmente que fazemos a diferença, e é por cada pessoa que se junta que a continuaremos a fazer. Com a vossa ajuda, podemos mudar o mundo. Com a vossa ajuda, podemos dar água. Com a vossa ajuda, podemos dar vida!

Constança Santos Silva,
Co-Fundadora e Presidente do Thirst Project Portugal.